site atualizado diariamente

Drenagem linfática manual (DLM)


Entre todas as técnicas de massoterapia, a drenagem linfática manual destaca-se por seus efeitos sistêmicos no organismo, não apenas na prevenção, como também no tratamento de vários problemas.

Possui um grande leque de atuação, tanto nas áreas: terapêutica, estética, pré e pós-operatório e em tratamentos antiestresse ou em doenças musculares.

Drenagem não e Massagem





A palavra drenagem é de origem inglesa. O ato de drenar está ligado à hidrologia. Consiste em liberar uma região pantanosa do seu excesso de água através de canais que se conectam a um canal maior, o qual encaminha para um poço ou um rio. A palavra drenagem é própria para designar uma técnica como a Drenagem Linfática Manual (DLM). 


Em sua função original, a drenagem é uma técnica que visa eliminar toxinas e líquidos excedentes que formam os edemas (inchaço). É realizada com movimentos suaves, rítmicos e intermitentes para que os líquidos sejam forçados a penetrar nos capilares linfáticos para serem eliminados. 


Atenção! Vale deixar bem claro que, esta técnica não deve ser confundida com as outras formas de massagem, pois há muitos mitos em cima das suas funções e de seus reais resultados.


Portanto, não existe massagem drenante, como também não existe drenagem profunda, muito menos drenagem modeladora. São todas jogadas de marketing prometendo novidades e resultados milagrosos. 


A técnica drena líquidos que se acumulam na pele e formam edemas. Sendo assim, não justifica falar em drenagem profunda, pois os capilares linfáticos são muito finos e frágeis e se forem manipulados com muita pressão eles se rompem.

A pressão com que se realiza a drenagem precisa de uma atenção especial. Ela deve ser adequada, não podendo colocar muito peso em suas mãos. O movimento popular de “sovar pão” não tem espaço aqui.


E, além disso, a DLM requer movimentos especiais que são realizados com as pontas dos dedos e, muitas vezes, com a mão espalmada, nunca côncava. Tanto os dedos quanto as mãos ficam em posição plana sobre a pele. Cada movimento deve ser repetido de 5 a 7 vezes no mesmo local, dependendo da técnica. 


Os movimentos devem sempre seguir, obrigatoriamente, a direção do fluxo linfático. O próximo movimento é a manobra de bombeamento que se faz após ter-se drenado a linfa. Em algumas técnicas, este bombeamento se faz no início e ao final da drenagem.


Você deve saber também que, a drenagem linfática não dói e nem pode provocar hematomas (manchas roxas na pele). Qualquer hematoma significa que a região foi lesada, inclusive com lesão de vasos sanguíneos e extravasamento de sangue no local.

Home