Largo da Matriz Velha

Vista da Paróquia Nossa Senhora do Ó, em 1955

Rio Tietê na região da Freguesia do Ó, em março de 1900

A atual igreja matriz de Nossa Senhora do Ó foi inaugurada em 1901

A Freguesia do Ó – um dos bairros mais antigos e tradicionais de São Paulo (SP)

Completa 437 anos

no dia 29 de agosto de 2017

Largo da Matriz Velha


Onde fica localizado o imóvel, vem ao longo do século 20 enfrentando altos e baixos, já que perdeu muito de sua importância simbólica no bairro desde 1901, quando foi inaugurada a atual Igreja Matriz. Nos últimos anos,  graças a ação da Sociedade Amigos da Matriz Velha e da subprefeitura o local voltou a ser um excelente ponto de encontro de famílias e moradores da região. A Igreja Matriz anterior (fotografia abaixo) foi destruída em um incêndio em 1896.

Igreja da Matriz Velha, destruída após um incêndio, foi reconstruída em outro local.

Pelo Belém, rumo a Praça Clóvis em maio de 1963 – Autor desconhecido

Os bondes da CMTC

Ónibus paulistanos para matar saudades


Amados por uns e odiados por outros, os ônibus fazem parte do cotidiano de São Paulo. Eles estão presentes em nossa cidade desde o início do século 20, com os famosas veículos abertos apelidados de “jardineiras” ou de “mamãe, me leva?(*)”.


Os autobondes, como eram chamados inicialmente, chegaram a São Paulo em julho de 1911 para substituir o ultrapassado transporte movido a tração animal (burros) e para fazer concorrência aos bondes elétricos.


A primeira frota, de um total de 10 veículos, era da marca Sauer e foi importada da Alemanha pela Companhia de Transportes Auto Paulista. A foto a seguir mostra um deles por aqui:

Largo do Clipper - Freguesia do Ó


A Freguesia do Ó, localizada no noroeste da cidade, é uma das regiões mais antigas de São Paulo, com mais de 435 anos. Quem cresce por ali não costuma querer sair. Pelo contrário, há um sentimento de verdadeira paixão pela região.


Várias características da região foram preservadas. Andar pelas ruas do bairro é recordar de tempos antigos. Ainda há aquele jeitinho de cidade interiorana, que só perdeu um pouco esse perfil porque na última década, assim como outros pontos da cidade, passou a ser alvo da febre imobiliária.